Domingo, Agosto 20, 2017
redacao@fatopaulista.com.br / fatopaulista@hotmail.com Telefone: (11) 2849-1454 ::: Ano IX - Edição n º 253
Segunda, 25 Abril 2016 10:10

Fé cega, faca amolada

Escrito por 
Avalie este item
(1 Votar)

Meus caros leitores, afirmo sem medo de errar que quanto mais cega é a fé, mais amolada é a faca! Quanto mais a pessoa se orienta por uma crença, mais se distancia de ser sujeito e cidadão, pois quanto mais crente, mais afastado fica da razão. E a cidadania é definida como o primado da razão que orienta as leis que são, por sua vez, orientadas por princípios desdobrados dos três pilares básicos da Democracia: igualdade, liberdade e fraternidade! Tudo isso parece bobagem, mas nossa sociedade se orientou sobre essas noções básicas de cidadania para se organizar, sobretudo depois da ditadura militar.

E desses pilares da Democracia, estabelecemos outros fundamentos para organizar nossa vida em sociedade, nosso cotidiano, a ordem pública e a administração pública também. Portanto, existem regras e leis que precisam ser seguidas por todos! E a faca fica mais amolada, quando alguns acham que não precisam seguir as leis.

Assim, consideramos que os criminosos que assaltam, roubam e matam não seguem as leis. Suas facas estão em nossos pescoços todos os dias e clamamos pela punição deles, sem pensar sobre o porquê eles estariam fazendo tais coisas. Eles são criminosos e pronto. Fé cega! Eles não merecem perdão. Mesmo que sejam crianças! Aí, adoramos as leis e as achamos, até mesmo, amenas. Faca amolada.

Também consideramos que políticos corruptos devam ser punidos. Bem, mais ou menos, pois é velha a confusão sobre políticos mais ou menos corruptos, “que roubam, mas fazem” e que, portanto, merecem mais ou menos punição e, também, mais ou menos condescendência do cidadão-eleitor. Nossa sociedade também é afeita a dar interpretações de certo e errado, que podem até ser dadas do ponto de vista pessoal, o que já seria questionável, mas do ponto de vista legal, de jeito nenhum. Por exemplo, você pode não gostar de gays, mas é ILEGAL discriminá-los ou agredi-los! Você pode até ser machista, mas NÃO PODE BATER EM MULHER! Você pode ser um político incompetente, mas não pode agir de forma a lesar a Nação. Não parece claro? Parece, mas não é. Por quê? Fé cega! A crença de estar agindo sempre “certo” e “para o bem”, supera a razão da Lei. Isso não pode na Democracia. Não pode!

Querem dividir nosso País em dois mundos: os que acham que são “do bem” e os outros, que acham que são “do bem” também. Só que para organizar um País a pessoa-política (ou seja, aquele que tem um cargo estabelecido, com suas funções e atribuições definidas na Constituição e nas leis) tem que ser da Lei. Não dá para fugir da Lei e dizer que foi para “o bem”. A nossa Democracia é criancinha. Portanto, frágil. Precisa ser cuidada, como toda criança. E quem cuida da democracia são as instituições, que são formadas por pessoas eleitas ou nomeadas e que, portanto, se espera sejam preparadas para defendê-las seguindo as leis! Isso é DEMOCRACIA. Um regime político muito ruim, mas já que ainda não inventaram um melhor, vamos tratar de aperfeiçoar este mesmo, e não desmorona-lo!

O que estamos vivendo nos dias de hoje causa angústia, pois mostra a imaturidade de nossa sociedade para o diálogo, mostra nossa incapacidade de considerar o contraditório como parte da vida social e política, mostra a infantilidade na representação da política transformada em espaço de “certo e errado”. De “bem e de mal”. Angustia, porque explicita, mais que nunca, como nossa democracia não evoluiu a ponto de que nossos políticos passem a ter vergonha de mentir tanto!! Angustia porque escancara a péssima qualidade de nossos representantes.

Não sei o que será dos próximos tempos, mas os atuais mostram, pela tela dos políticos que nos representam no executivo e no legislativo, que estamos muito “mal na fita”.

Zulmara Salvador: Socióloga, Antropóloga, Consultora Ambiental e especialista em Educação Ambiental e Comunicação Social.

Ler 475 vezes
Zulmara Salvador

Zulmara Salvador é Socióloga, Antropóloga e Consultora em Meio Ambiente.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.