Domingo, Outubro 22, 2017
redacao@fatopaulista.com.br / fatopaulista@hotmail.com Telefone: (11) 2849-1454 ::: Ano IX - Edição n º 255
Segunda, 05 Junho 2017 08:44

Ação contra vítima de Síndrome de Acumulação Compulsiva mobiliza a Regional Penha

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Família vivia em casa que se tornou depósito de lixo; irmão mantinha a irmã em cárcere privado. O lixo acumulado encheu dois caminhões da Regional Penha

 

A publicação, no Facebook, de um caso dramático levado ao ar pela TV Record, chegou ao conhecimento do prefeito regional Jurandir Junqueira Junior. A reportagem mostrava a situação de uma família na Rua Almeida Brandão, na Vila Guilhermina, morando numa casa inteiramente tomada pelo lixo. Segundo se via, a família - pai, filho e filha - vivia nesta situação já havia anos.

Caso flagrante de saúde pública, esse fato alterou o cotidiano da Prefeitura Regional Penha, na sexta-feira (02). Numa ação que reuniu as áreas de Serviço Social, Saúde, Zeladoria Urbana e Polícia Civil, a Regional Penha conduziu suas equipes para visitar os moradores, a fim de desobstruir a calçada, também totalmente invadida pelo lixo.  

O filho, Ubiratan Carlos Gris, 42 anos, catador de lixo, sofre da síndrome de acumulação compulsiva, situação em que o hábito incontrolável de guardar objetos e juntar o lixo dentro de casa leva à total degradação do ambiente, com sérias consequências para as pessoas. Ubiratan, além de agir com agressividade, mantinha Soraia Gris, sua irmã, em cárcere privado havia mais de uma década.

Depois de limpar e desimpedir o passeio, a Regional Penha obteve a autorização do Sr. Pedro Gris para dar início à abertura do portão (veja as fotos) para retirar o lixo. Trabalho feito com ajuda de tratores (fotos), todo entulho e lixo orgânico acumulado encheram por completo dois caminhões da prefeitura. Além do interior da casa, até a laje estava ocupada por lixo, resíduos e objetos. Porém, a ação mais relevante foi sem dúvida libertar Soraia, que saiu com a ajuda dos vizinhos e das pessoas envolvidas no trabalho.

Ubiratan não foi localizado. Ele tem direito a receber tratamento pela rede de atenção à Saúde, como também deverá responder por seus atos. A Regional Penha fez o Boletim de Ocorrência, na 21ª DP, em Vila Matilde. Será instaurado inquérito contra Ubiratan, pelos crimes descritos no Código Penal como “cárcere privado” (Art. 148), e oferecer “perigo para a vida ou saúde de outrem”. As ações de limpeza e atendimento às vitimas se prolongou por todo o dia.

Ler 162 vezes
Ligia Minaro

Jornalista Responsável: Ligia Minaro - MTB 33.856

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.