Segunda, Outubro 23, 2017
redacao@fatopaulista.com.br / fatopaulista@hotmail.com Telefone: (11) 2849-1454 ::: Ano IX - Edição n º 255
Quarta, 09 Agosto 2017 06:33

Sesc Vila Mariana recebe oficinas do Jazz na Fábrica

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Unidade participa do projeto com atividades voltadas para músicos

 

De 24 a 26 de agosto, o Sesc Vila Mariana recebe atividades inseridas no festival Jazz na Fábrica, que acontece no Sesc Pompeia. Serão duas oficinas (Jazz: Improvisação em Grupo e Pixinguinha: a Orquestra Popular Brasileira) e a masterclass Flamenco Jazz de Juán Gómez ‘Chicuelo’, em que o guitarrista espanhol trabalhará sua abordagem do tradicional ritmo daquele país. As inscriçõespara as três atividades estão sendo realizadas desde 1/8 (Credencial Plena) e 8/8 (demais interessados). Para os possuidores de Credencial Plena, as inscrições são gratuitas; para os demais, os valores variam entre R$ 8,50 e R$ 17.

No dia 24quinta-feira, às 19h, o espanhol Juán Gómez ‘Chicuelo’ faz uma masterclass no Auditório da Unidade. O guitarrista vai trabalhar os diferentes ritmos do flamenco, a partir da contagem, acentuações e divisões de algumas variações como tangos, alegrias, bulerias, etc. Também serão apresentados reforços da técnica com acordes, arpejos, escalas e tonalidades.

O encontro contará com mediação do instrutor de cordas dedilhadas Mayki Fabiani, do Centro de Música do Sesc Vila Mariana.

Na sextadia 25, o instrutor do Centro de Música da Unidade, Marcel Cangiani, coordena a oficina “Jazz: Improvisação em Grupo”. A atividade aborda a concepção da prática musical instrumental a partir de uma composição ou um repertório, buscando refletir o jazz. A linguagem da improvisação e a forma de criação dos arranjos são os pontos de partida para tocar e criar em grupo no jazz.

A terceira atividade é a oficina “Pixinguinha: a Orquestra Popular Brasileira”, dirigida por Maurício Narutis, também instrutor do Centro de Música do Sesc Vila Mariana. O encontro acontece no sábado26 de agosto, às 14h. O estabelecimento de um grupo instrumental orquestral para tocar música popular brasileira é influenciado diretamente por Alfredo da Rocha Vianna. Compositor de diversos gêneros e tendo contato com o jazz norte-americano pelas rádios da época, Pixinguinha consolida uma estrutura e características marcantes que influenciaram todos os demais compositores e arranjadores, principalmente aqueles ligados à "Era do Rádio". O instrumentista liderou os Oito Batutas, que também teve influência das jazz-bands. Esta oficina estabelece um paralelo entre o surgimento da orquestra popular brasileira e a big bands norte-americanas, a partir dos critérios de forma, instrumentação e arranjo.

Jazz na Fábrica chega à sua 7ª edição no Sesc Pompeia, com shows entre 10 e 27 de agosto e apresentando um panorama do jazz e uma celebração desse gênero musical e todas as suas vertentes. Além dos shows no Sesc Pompeia, neste ano o festival conta com atividades no Sesc Vila Mariana e no Sesc Consolação.

Juan Gómez 'Chicuelo' é um dos mais proeminentes guitarristas da atual cena da música flamenca e um dos grandes compositores de sua geração. Trabalhou no Tablao de Carmen com Mario Escudero, Angelita Vargas, La Tolea, Yerbabuena, Sara Baras, Adrián Galia, Belén Maya, Antonio 'El Pipa', Joaquin Grilo, entre outros. Chicuelo é hoje umas das maiores referências entre os grandes cantores de música flamenca, como Miguel Poveda e Duquende, com quem realizou diversas turnês pela Europa, Japão e Estados Unidos.

Marcel Cangiani é bacharel em percussão pelo Instituto de Artes da Unesp e educador de bateria e percussão do Sesc Vila Mariana desde 2004. Fez parte do Grupo de Percussão da Unesp, Grupo de Percussão de Tatuí, Orquestra Experimental de Repertório, Banda Sinfônica do Estado de São Paulo e Grupo Café Jam. Atuou em orquestras como Osesp, Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, Orquestra Sinfonia Cultura e Orquestra Filarmônica de São Bernardo. Já se apresentou na Sala São Paulo, Teatro Cultura Artística, Theatro Municipal de São Paulo e do Rio de Janeiro, Victoria Hall (Suíça) e Wasbe (Áustria).

Maurício Narutis começou suas atividades musicais em grupos de práticas coletivas. Em 1986, ingressou no Conservatório Musical do Brooklin Paulista, onde aprimorou sua formação com Aida Machado, Abel Rocha e Marcos Câmara. Formou-se em trompete pela USP, tendo como professores Willy Correa de Oliveira, Gilberto Mendes e Aylton Escobar. Estudou com Reginaldo Farias, Gilberto Siqueira, Sérgio Cascapera, Naílson Simões e Edgar Baptista dos Santos (Capitão). O trabalho sociomusical desenvolvimento na EMEF Prof. Osvaldo Quirino Simões lhe rendeu a homenagem outorgada pela Secretaria Municipal de Educação de São Paulo e uma indicação à Unesco em 1998. Desde 1988 atua como professor de trompete, pesquisando sobre técnica, tendências, metodologias e principalmente sobre o ensino coletivo de música. Já participou de projetos junto aos CEUs, Emesp e Projeto Guri Santa Marcelina.

Ler 83 vezes
Ligia Minaro

Jornalista Responsável: Ligia Minaro - MTB 33.856

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.