Domingo, Maio 27, 2018
redacao@fatopaulista.com.br / fatopaulista@hotmail.com Telefone: (11) 2849-1454 ::: Ano IX - Edição n º 262
Cotidiano

Cotidiano (287)

Uma cratera que praticamente “engole” qualquer adulto está a meses aberta na UBS/AMA Vila Carmosina sem qualquer providência por parte do Poder Público. O líder do Movimento Inclusão Já, Valdir Timóteo denuncia o problema e espera por providências. “É muita falta de respeito com as pessoas, dinheiro para a Copa eles têm, mas para obras de acessibilidade não”, indigna-se.

O vereador Antonio Goulart (PSD) foi condenado por improbidade administrativa por usar verba de gabinete da Câmara Municipal para contratar uma gráfica da propriedade da sua mulher. O recursos públicos foram aplicados na gráfica de novembro de 2009 a dezembro de 2010, quando Goulart era vice-presidente do Legislativo.

Empreiteira contratada pela Prefeitura Municipal de São Paulo por meio de licitação atrasa obras, entre elas a de uma simples calçada que poderia ser feita por qualquer pedreiro, é ré em uma ação de despejo por falta de pagamento e mesmo assim, parece “mandar” em setores do governo municipal.

Quando chega dezembro a euforia pelas festas de fim de ano do paulistano é ofuscada pelo medo das enchentes, pois dezembro é sinônimo de prenúncio de grandes tragédias com as chuvas, que vêm a cada final e início de ano.

A construtora MRV foi condenada a indenizar um consumidor por entregar um imóvel novo com uma série de defeitos. A entrega do imóvel estava prometida para dezembro de 2005. Nove meses depois, a construtora chamou o consumidor para fazer a entrega, mas ele recusou o recebimento ao constatar os danos.

A Casa & Vídeo (Mobilitá Comércio, Indústria e Representações) terá que pagar R$ 6 mil por danos morais a um consumidor. Em novembro de 2008, Jefferson de Oliveira comprou uma filmadora em uma das lojas do grupo juntamente com um seguro de um ano do produto.

O que era para ser um mega evento alusivo ao aniversário de 327 anos do bairro que vai sediar a abertura da Copa do Mundo, se transformou em uma das maiores frustrações populares da história da Zona Leste. Por meio de medida liminar a Justiça determinou o cancelamento dos shows em parceria com uma rádio FM, que aconteceriam no sábado dia 23 e domingo 24 de novembro.